Fofocar ou fuxicar

Não me considero uma pessoa muito vaidosa, mas, por conta dos fios brancos – que me recuso a aceitar -, consumo algumas horas no cabeleireiro. E tenho uma profunda admiração pelos profissionais que me atendem e zelam para que eu nunca apareça na rua com uma cabeleira rosa.

Há uma coisa, porém, que sempre me incomodou nos salões de beleza: a obsessão generalizada pela vida das celebridades. Basta você sentar na cadeira do cabeleireiro e logo, gentilmente, aparece alguém oferecendo um cappuccino e a revista Caras.

– Não, obrigada. Já trouxe minha leitura de casa. – respondo, antipática.

– Eu fico folheando a revista para ver as roupas das famosas. – disse uma amiga.

Discordo dela. Se a ideia for buscar inspiração para cortes de cabelo e estilo, pode ser que haja alguma utilidade nesse manuseio das revistas de fofocas. Não há, todavia, como negar que as revistas de moda são uma fonte mais confiável quando se trata de bom gosto e estilo. Se alguém está em busca de inspiração, deve ler Elle ou Estilo, e não Caras.

O que as revistas Contigo, Caras e outras afins realmente inspiram é o instinto fofoqueiro das frequentadoras de salões de beleza. Sempre haverá alguém a criticar o cabelo daquela atriz ou o vestido que a outra usou em determinada festa. E o que mais estimula as pessoas à leitura dessas revistas é a possibilidade de conhecer a intimidade de pessoas famosas.

Ora, se uma pessoa dedica-se à vida artística, a coisa mais interessante que deve ter a apresentar ao público é a sua arte. Então, cante, dance, atue, jogue futebol. É o que justifica a sua celebridade. É maravilhoso poder apreciar a exibição do talento artístico ou esportivo de alguém. Qual o interesse que realmente pode haver em sua intimidade? Saber o nome de seu cachorro? Conhecer seu closet? Acompanhar suas fotos na ilha ou no castelo de Caras? Ou pior, saber quem está namorando ou se separando?

Sempre desconfiei do talento de quem se mantém em evidência por conta da vida pessoal. Fulano foi visto saindo de uma festa com Beltrana. E daí? Alguém, por acaso, sabe alguma coisa sobre a intimidade de Al Pacino? Não, porque o talento dele basta. Não significa que os tabloides desdenhem de suas informações confidenciais. A sua fama, todavia, decorre de sua performance artística, consolidada em mais de quatro décadas atuando brilhantemente.

E, como quem não tem cão, caça com gato, na ausência de uma celebridade a fornecer assunto paras as rodinhas de conversa, as pessoas falam da vizinha, da colega de trabalho ou escola, do primo e por aí vai. A vida alheia parece ter um sabor especial, fornecendo o tempero que falta a quem gosta de fofocar.

O que é fofoca? Fui olhar a definição do Wikipédia: “A fofoca consiste no ato de fazer afirmações não baseadas em fatos concretos, especulando em relação à vida alheia”. Brilhante definição. E o que leva as pessoas a tanto desejarem saber e comentar a vida do outro? Cabeça dura como sou, só consigo encontrar uma explicação para tanta dedicação à fofoca. O fofoqueiro, no fundo do peito, é invejoso, gostaria de fazer tudo aquilo que critica, mas, como não tem coragem, usufrui de um pequeno prazer ao comentar o infortúnio ou fracasso alheio, sentindo-se, naquele momento, superior. “Fulana é solteira e ficou grávida”. “Zé está sendo traído pela mulher”. “A filha de Maria sai com um rapaz diferente a cada semana”.

Carente de paciência, ouso propor uma troca. Em lugar de fofoca, vamos passar a fazer fuxico. Daquele artesanal, feito por nossas avós com retalhos coloridos. Mais bonitos e úteis.

3 thoughts on “Fofocar ou fuxicar

  1. Márcia
    Concordo com você a respeito de fofocas. Detesto quem só se ocupa com a vida dos outros Entretanto há vários tipos de fofocas.
    Existe aquela: invejosa, mentirosa, maldosa, asquerosa… Mas há também aquela fofoca inocente que não mal a ninguém, apenas ajuda o tempo passar de forma mais amena.
    Aqui vai o conselho de uma pessoa que a ama: não leve a vida muito a sério. Olhe o exemplo de sua vó Peró, ela está sempre se atualizando e tentando se adaptar às novas situações.
    Não seja muito sisuda, senão você envelhece cedo. É brincadeira!
    Beijos e abraços de Terezinha

  2. Márcia,
    Nunca gostei de fofoca. Acho que cada um deve cuidar da própria vida. Enquanto o fofoqueiro está tratando da vida alheia, a dele está na boca do povo.
    Concordo com você, é melhor fazer fuxico(que é sinônimo de fofoca). Já vi coisas lindas feitas com fuxico.
    Beijos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =