Não há bônus sem ônus

Agora, depois que ingressei no Reino Misterioso dos Quarenta, posso dizer que algumas coisas a vida já me ensinou. É claro que a maioria delas já haviam sido anunciadas por minha mãe e outras amigas com um pouco mais de idade. Mas a grande verdade é que precisamos de experiência. A vida é um explêndido curso prático em que colocamos em prática toda a teoria que aprendemos.

De todas essas coisas maravilhosas e terríveis que aprendi com o tempo, a mais infalível é que não há bônus sem ônus. Nada é de graça e as maiores conquistas implicam em alguma espécie de perda. Aquele que não se prepara para o sacrifício não se habilita às grandes vitórias.

Alerto que não falo em pessimismo ou fracasso, embora esse último seja uma sombra a pairar sobre cada um de nós, seres humanos, espreitando nossos passos. Capacitar-se para melhor enfrentar as feras do dia-a-dia é necessário, diria mesmo que indispensável. Mas isso não nos garantirá êxito absoluto. Há o imponderável, o absurdo e eles podem alterar o curso da jornada.

Existe, porém, o proveito que se aufere de cada desafio vencido. É preciso, portanto, pensar também neles. As maiores vantagens, lucros, ganhos são entregues àqueles que mais se arriscam. A sede de ir além tem levado o homem a vencer os limites que se imaginava intransponíveis. Há perigos sempre. A viagem à lua não foi tão simples como um passeio à praia. É necessários que existam bravos capazes de acreditar e lançar-se.

Ninguém gosta de perder. Se for para ser sincero mesmo, quase todos dirão que gostariam de ter os seus desejos prontamente atendidos sem que fosse necessário qualquer esforço. Isso não é coisa de baiano, nem é preguiça. O comodismo é da natureza humana. Basta pensar no número de pessoas que semanalmente depositam nas diversas loterias o sonho de enriquecer da noite para o dia. Sem esforço. Apenas um lance de sorte.

A questão é saber em que time estamos dispostos a jogar. Sermos gregos ou troianos, romanos ou bárbaros, aliados ou nazistas, tudo é uma questão de posicionamento. E, muito além do bem e do mal, podemos esperar sentados o que a vida nos trará ou levantar e partir para a batalha. Como já disse Gonçalves Dias, “a vida é combate que os fracos abate, que os fortes, os bravos só pode exaltar”.

Aceitar a vida quando ela vem e nos sussura novas possibilidades. Acreditar em nossas potencialidades, sabedores dos desafios que acompanham as melhores oportunidades. Eis a essência do campeão. O sucesso está reservado àqueles que vão à luta, com humildade e coragem, conscientes de que a vida é repleta de contrariedades e aborrecimentos, mas que a audácia dos bravos é coroada com o êxtase da vitória.

5 ideias sobre “Não há bônus sem ônus

  1. Se procuras bónus sem ónus, vai directo ao abecedário…tão pouco te vai dar trabalho, encontras logo logo!

  2. Olá , Márcia.
    Gostei bastante do seu texto.
    Sei que a vitória, o bom êxito, o sucesso, e a glória são para aqueles que têm coragem de arriscar. Portanto, todo bom jogador deve estar preparado para resultado, que nem sempre é o desejado. Toda pessoa deve arcar com as consequências de seus atos e saber que as coisas muito fáceis são perigosas: “Não há bônus sem ônus”. Daí , o velho dito popular: “laranja madura na beira da estrada …
    Abraços de Terezinha

  3. O sabor da vitória se deve, em meu entender, ao ônus que se paga para alcançá-la, pelo menos, valoriza-se mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + vinte =