Um domingo qualquer

Mais um domingo de preguiça… Após uma semana de trabalho e um sábado festivo, é uma delícia ter o domingo para nada fazer… Almoçar tarde, assistir TV, telefonar para meus pais… Ah! E ouvir as longas e detalhadas resenhas que minha filha faz da festa da noite anterior. Qual das festas? Eu estava presente na festa infantil. Quero saber sobre a segunda festa, o show da banda Baiana System. A festa foi animada? A banda tocou bem? Havia muita gente conhecida?  Através dela descubro que, em horários de intensa busca, como após uma festa, uma corrida no Uber pode custar até três vezes mais do que no táxi convencional.

Começo a planejar a tarde ociosa. Talvez decida ver TV.  Pode ser um episódio aleatório de qualquer série, ou pode ser um filme. Temos nossas preferências, com alguns pontos de convergência. Assistimos com idêntica empolgação a House of cards e Scandal. Por vezes, eu “pesco” uma ou outra cena das séries que ela assiste, como Gossip Girl, The Nanny ou Sons of anarchy. E ela, de igual modo faz com Downton Abbey ou Desperate housewives.

Quanto aos filmes, acontece coisa parecida.  Minha filha gosta de todos os estilos, exceto terror, mas sei que tem uma quedinha por comédias românticas. Ela também diz não ser muito fã de filmes de ação, podendo assisti-los eventualmente. O único diretor de cinema que diz amar é Woody Allen, que eu também adoro. Ou seja, qualquer filme dele é uma excelente pedida para nós.

Debatendo sobre as séries televisivas, começamos a analisar a  personagem Carrie Bradshaw, de Sex and the city. Afinal, pergunta-me a minha filha, como uma pessoa poderia se manter em Nova York escrevendo aquela coluna mixuruca? Como poderia pagar aluguel, frequentar os melhores restaurantes, encher um closet de roupas e sapatos caríssimos apenas escrevendo uma coluna semanal em que relata suas aventuras e desventuras sexuais. Bem, sigo pensando… A coluna pode ser tola, mas certamente não lhe faltará público: mulheres solitárias, em busca de um namorado, vivendo pequenos dramas românticos, envolvidas em relacionamentos sem futuro. Carrie parece viver o irrealizável: sem ser bonita nem especialmente inteligente ou talentosa, vive em alto estilo em Nova York, é uma consumidora compulsiva, frequenta os lugares da moda e está sempre dividida entre o amor de dois homens lindos, inteligentes, gentis, bem-sucedidos. Ou seja, ela vive um conto de fadas moderno. Por outro lado, a audácia de tratar da vida sexual das mulheres solteiras em uma grande cidade desperta, no mínimo, a curiosidade do público.

Mas não vamos assistir à TV. Minha filha chegou muito tarde da festa e, após o almoço, vai aproveitar o domingo para dormir um pouco mais, afinal, amanhã é segunda-feira, e a sua aula começa às 07:00h. Sem a sua companhia, vou retomar as minhas leituras, pois ainda faltam dois livros para que eu vença o desafio literário do mês de julho. Sei que, após umas 20 páginas, sentirei sono e terminarei cochilando também. A tarde vai chegando ao final e, ao anoitecer, pensarei na semana que se inicia, organizando bolsa, documentos, agenda, pagamentos. Quando a noite chegar, se não encontrarmos ingressos para o teatro, comeremos alguma coisa leve e vou deitar cedo, muito cedo.

Adoro domingos…

Uma ideia sobre “Um domingo qualquer

  1. Bom dia, Márcia!
    Estou vendo o seu texto e (divertida) noto que a cada dia que passa você fica mais parecida comigo. Acho que isso é destino de todas as filhas!
    Embora esteja em casa todos os dias, adoro ficar em casa aos domingos. Depois do café da manhã, converso um pouquinho com Ronaldo e com minha mãe. Depois vou decidir o que prefiro fazer: Ler, assistir televisão…
    Não gosto muito de sair para almoçar em restaurantes. Só em ocasiões especiais! Gosto mesmo é de comer minha macarronada acompanhada de um bom vinho!
    Algumas vezes aparecem visitas à tarde. Glórinha é a minha preferida, quando aparece me faz rir muito!
    Minha mãe gosta que a acompanhe para uma caminhada até o playground.
    Sou católica, mas pouco vou à missa. Vejo pela televisão.
    Na verdade, o meu domingo não é tão preguiçoso, mas é muito relaxante e feliz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − nove =